Engenharia Elétrica Eletrotécnica

Modalidade Eletrotécnica:

O eletromagnetismo e o fascínio dos campos girantes, os circuitos elétricos de potência e o suprimento energético de grandes centros consumidores até residências são um apanhado geral do que vem a ser a Eletrotécnica.

Esta pode ser melhor visualizada por uma simples verificação das instalações que temos em nossa casa por diante: Se imaginarmos por onde a energia elétrica passa até chegar a uma tomada de uso residencial, ou seja, partindo da tomada, chegando ao medidor de energia, passando pela rede elétrica da sua casa até um poste próximo, o transformador, a rede de alta tensão (aquela mesma que todos tem medo de enrolar a pipa!), as grandes Subestações e por fim as usinas Hidroelétricas. Isso constitui o “equipamento de estudo” dos engenheiros eletrotécnicos.

Para efeito de comparação, o que é telefonia e antenas (telefone, celulares, redes de Internet, antes de transmissão de dados, voz e imagem, etc.) faz parte da Engenharia de Telecomunicações, e o que está da tomada pra dentro da sua casa (televisão, vídeo cassete, DVD, Rádios, CD’s, Microondas) são parte do estudo da Engenharia Eletrônica.

Vários são os ramos de atuação da eletrotécnica: Concessionárias de Energia (no caso de Pernambuco a CELPE), Geradoras de Energia (CHESF, TERMOPE), empresas especializadas em elaboração de projetos para suprimento energético de grande porte, entre outros. Nós, Engenheiros Eletrotécnicos, podemos projetar, supervisionar obras, orçar, e discutir soluções tecnológicas.

O assunto da vez no nosso curso, com certeza, é a Eficiência Energética. Pois, como sabemos, devemos bem usar a energia elétrica para que possamos tê-la ainda por muito tempo, e assim deixar que novas gerações possam ter o prazer de usufruir dessa maravilha que é a Eletricidade. Porém, há um questionamento bem interessante nesse tema: Como podemos pensar em eficientizar o consumo de energia elétrica, se ainda há pessoas que não desfrutam dela?

Para sua conclusão é exigido o cumprimento de 180 horas de estágio supervisionado. Decreto Nº 57.838 de 18/02/1966 Diário Oficial de 15/03/66.